sábado, junho 20, 2009

"ROSA ENJEITADA" e o "Fado Aristocrático"



(Doc. "Berta Cardoso na Revista")

Como já referi no post anterior, o fado "Rosa enjeitada" foi estreado no teatro de revista, tendo aí tido como intérpretes duas das mais representativas cantadeiras-actrizes do séc. XX - Hermínia Silva e Berta Cardoso. Este documento, que aqui se reproduz, corresponde à fala cantada pela Rosa Engeitada (letra do fado), papel desempenhado por Berta Cardoso.
A letra deste fado resume, digamos assim, a trama que enforma o melodrama (1901), da autoria de D. João da Câmara, cujo nome é o da personagem principal, a Rosa Engeitada; e, afinal, quem era essa Rosa engeitada? uma rameira, que vive com Francisco (o homem de quem gosta e que sustenta) e que pensa mudar de vida, mas não consegue, não tem coragem... até que um dia, conhece um outro rapaz, o João - trabalhador, simples, honesto -, em tudo a antítese do Francisco, nascendo desse encontro o amor verdadeiro que faz renascer na meretriz a esperança de uma nova vida...
É, como se vê, uma história actualíssima, melhor, de todos os tempos... um drama vivencial cujas implicações sociais não têm hoje, digo eu, a carga reprobatória e de indesculpabilidade que tinham então, mesmo já em finais da primeira metade do século XX, altura em que Maria Teresa de Noronha se deixou enCANTAR por este fado, da autoria de José Galhardo e de Raúl Ferrão, enCANTAmento bem patente na sua magnífica interpretação, recordada neste vídeo.
Já agora, a talho de foice, presta-se perguntar: é este o fado que os especialistas designam por "fado aristocrático"?!...
Esta é uma etiqueta com que sempre embirrei porque não alcanço qualquer bom motivo para que se empregue. Vejamos. À semelhança do designado "Fado Marialva", onde cabem todos os fados com determinada temática, o "Fado Aristocrático" deveria designar e englobar os fados que obedecessem a uma certa temática, por certo relacionada com a aristocracia, ou forma de poema ou qualquer música associada, mas isso não se verifica efectivamente... Assim, essa designação apenas indicará, por certo, o estatuto aristocrático de alguns intérpretes do Fado, e, nesta perspectiva, parece-me absolutamente desadequada, melhor, incorrecta, porque, em boa verdade, não é o fado que passa a ser aristocrático, mas sim os aristocratas que passam a ser fadistas... E, embora eu não consiga descortinar a mais valia de colocar numa mesma gaveta os aristocratas que enfileiraram pela carreira de fadistas e etiquetá-los, o que desde logo se me afigura até uma forma de discriminação, se bem que positiva, entendo que a designação mais correcta seria, então, a de "Fadistas Aristocráticos", pois é disso que se trata, e nunca "Fado Aristocrático" que, até prova em contrário, não existe.
O Fado é do Povo e, por isso, não é aristocrático, mesmo que cantado por um fidalgo, acompanhado ao piano, no salão do seu palacete...
Mas, não sendo aristocrático, o Fado é nobre, tão nobre quanto o Povo que canta e que o canta, aristocratas incluídos...
Porque o Fado é a expressão da Alma de um Povo que na História é reconhecido pela sua nobreza de carácter! Esta é a verdadeira nobreza e a mais valia do Fado.
VÍDEO DE HOMENAGEM
video

10 comentários:

Anónimo disse...

Gosto da tese e concordo com ela!
Acho q. está muito bem observado.
Também faço notar que a aristocrata D. Teresa de Noronha cantava sempre sem xaile. Qual é atua leitura?
Abraços
Eu

MLeiria disse...

Obrigada por essa da "tese"; se for boa, alguém vai fazê-la passar como se sua fosse, à semelhança de outras coisas...portanto, logo se vê!...
Agora, qtº ao xaile que a Mª Teresa de Noronha não usava, é claro para mim que nem xaile, nem lenço... cantar como a Severa é uma coisa, vestir como ela é outra... não é!?...
Mas isto entronca com outra tese que não quero, para já, revelar... Eh!eh!

Anton Garcia-Fernandez disse...

Amiga Ofélia:

Excelente este post que tem a ver com o que falávamos o outro dia em relação ao que eu escrevi sobre o Dom António de Bragança. Concordo com você em que não existe o Fado Aristocrático. Esta é uma etiqueta errada, já que, como você diz, seria mais adequado falar de fadistas aristocratas. O ser aristocrata é realmente um atributo da pessoa e não do género musical, e por isso, chamar a música da Maria Teresa de Noronha ou do Vicente da Câmara de fado aristocrático é errado. Contudo, acho que a razão de que críticos como o Victor Machado fizessem tanto fincapé no interesse que alguns aristocratas tiveram no fado tem a ver com a sua intenção de dignificar o fado num momento em que outros críticos estavam a atacá-lo sem muita razão, não acha?

A história da Rosa Engeitada é muito interessante, e sem dúvida, trata um tema intemporal. Sabe você se já se tem feito um filme sobre esta peça? Se é assim, gostaria de poder vê-lo...

Um abraço fadista dos Estados Unidos e, mais uma vez, obrigado por um artigo tão interessante!

Antón.

Ti Maria Benta disse...

Agradeço a partilha da informação que consta neste artigo pois, como já tinha afirmado, interessa-me tudo o que possa encontrar sobre este fado "Rosa Enjeitada". É um fado magnífico. Conheci-o primeiro pela voz de Hermínia Silva.
Quanto ao Fado Aristocrático também concordo que, ao chamar-se assim, seria devido a uma qualquer característica musical ou lírica, e não a uma característica da parte de quem canta. Passo a expressão mas acho mesmo um pouco ridícula essa designação. Em primeiro lugar está a Música.

MLeiria disse...

Meu caro Antón
Admito perfeitamente que fosse essa - a dignificação do fado - uma das razões pela qual o Victor Machado e outros, punham a tónica nalguns elementos da aristocracia que, com o povo, comungavam o gosto pelo Fado, como que a dizerem "- estão a ver, os fadistas não são só rufias, rameiras, gentinha inculta e do mais baixo nível! Não! No Fado há também gente do mais alto nível...", como se a classe social a que a pessoa pertence desse dela o retrato moral!... Interessante é verificar que hoje ainda se pensa um pouco (ou absolutamente ?)assim, o que corresponde ao dito popular "Tens muito, muito vales"... É o valor (mesmo o moral)das pessoas, visto a partir da sua conta bancária e/ou berço; hoje, é mais conta bancária; dantes, era mais berço!... e as condutas sociais reprováveis também já não são as que eram (uma dantes reles rameira é hoje uma distinta acompanhante)...
Resumindo, parece-me claro que arrolar gente Nobre para as fileiras do Fado, era um modo de dar-lhe mais dignidade, embora isso pudesse/possa até não corresponder absolutamente à intenção.
Relativamente ao facto de já ter sido ou não transposta esta peça para filme, se o foi, desconheço.
Bjinho para si e Erin
e "tudo jóia"!, como dizem os manos caetano...
OP

MLeiria disse...

TiMªBenta
Nada tem que me agradecer. Fico sempre satisfeita que alguém aproveite alguma coisa com o meu trabalho; essa é a minha mais dilecta forma de recompensa.
Portanto, se eu encontrar alguma coisa mais acerca deste Fado,não me esquecerei de si.

Américo disse...

Olá Amiga / pois eu também lhe ponho a etiqueta de "Tese" Pois então! Belo trabalho, que não lhe doam os dedos ao escrever e a paciência para a pesquiza e a investigação. Tudo o que nos traz, faz parte importante da História do Fado, e isso para os vindouros, é àgua de que devem beber.Para mim, Maria Teresa de Noronha, não era Fadista, mas cantava divinamente o Fado, e sempre honrou com a sua postura esse mesmo Fado. Rosa Engeitada, para meu gosto, ainda hoje não há quem o cante como ela. Um abraço.Américo

Fadista disse...

Muito obrigada, amigo Américo, pelas suas palavras, sempre tão amáveis.
Havemos de falar depois acerca dessa sua interessante "classificação" de Mª Teresa de Noronha... fiquei a pensar nisso!
Bjinho
OP

Anónimo disse...

http://achatcialisgenerique.lo.gs/ cialis pas her
http://commandercialisfer.lo.gs/ cialis commander
http://prezzocialisgenericoit.net/ cialis vendita
http://preciocialisgenericoespana.net/ cialis

Anónimo disse...

http://prixviagragenerique50mg.net/ viagra generique
http://prezzoviagraitalia.net/ viagra acquistare
http://precioviagraespana.net/ viagra