sábado, julho 11, 2009

ODETE MENDES - "O mundo que há em mim"

VÍDEO DE HOMENAGEM

video


Odete Mendes, nome artístico de Mª Odete Pessoa Mendes Novo Gomes, cantadeira e letrista, nasceu em Lisboa em 1943, tendo-se estreado como profissional em 1960, na casa de fados "A Márcia Condessa", encontrando-se a actuar n' "O Forcado" quando se retirou. Filha de um dos mais importantes violistas de fado do séc. XX - Alfredo Mendes (1907-1967) - carregou consigo o peso dessa responsabilidade, mas também a do talento com que igualmente o Fado a marcou.

Intérprete e autora da letra, Odete Mendes dá voz a este fado como convém -com alma, sentir e saber; a música é de João Mª dos Anjos.


Agradecimento

Ao investigador José Manuel Osório, pela gentileza de me disponibilizar o inédito da biografia desta cantadeira, permitindo-me a sua integral utilização, se assim eu o entendesse. Bem Haja!

sexta-feira, julho 10, 2009

UM PLAGIADOR


Há já algum tempo, encontrei no Ilustração Portuguesa este artigo, retirado de uma Ilustração, dos anos 30, a que o autor, o conhecido Repórter X - Reynaldo Ferreira, deu o sugestivo título "A Exportação do Fado Português... por grosso e em contrabando" (sublinhado meu). Trata-se, muito simplesmente, de um caso de plágio, levado a efeito por um estranho personagem de nacionalidade polaca, que durante algum tempo residiu em Lisboa e que, de tal modo apaixonado pelo Teatro de Revista e pelos sons do Fado, regressou com eles ao seu país onde os apresentou como se seus fossem!...
Por certo, nunca lhe terá passado pela cabeça que um português fosse a Varsóvia e, demais, fosse assistir a uma representação de uma das "suas" Revistas... Azar! Logo ele, que tanto cuidado tinha tido, que, ainda com algum "pudor", tinha ido plagiar para tão longe...
A ser verdadeira esta história, não terá tido bom desfecho... é que, deste polaco plagiador, Oswald Zelñick, não há qualquer registo de autorias, nem ninguém me soube dar notícia...
Terá sido, por assim dizer, exterminado!?
Afinal, por cá, outros há, continua a haver, que sem qualquer pingo de vergonha e alarvemente, nas barbas do autor, reclamam como suas autorias consagradas que (quase) toda a gente (re)conhece... e ainda assim são premiados!...
É mesmo caso para gritar: "-Ó pai, o Rei vai nu!..."
Ou, se preferir "-E esta, hem?!"...

domingo, julho 05, 2009

CARLOS DUARTE - "Teu vestido azul"



Filho de Alfredo Duarte, "Marceneiro" e irmão de Alfredo Duarte Jr., Carlos Duarte (1921 - 1966) é, dos Marceneiro, provavelmente, o menos conhecido do grande público, tanto mais que
cantou o Fado apenas como amador.
Era frequentador assíduo dos retiros de fado, onde era muito considerado, sendo unânime a opinião, de todos quantos o escutavam, de que era um grande intérprete do Fado. São de sua autoria algumas letras de fados que interpretou; porém, a do fado, com que hoje o lembro, é da autoria de Henrique Rego, uma letra muito interessante, com um certo gosto e codificação petrarquistas, interpretada no Fado Mª Marques, da autoria de seu pai, Alfredo Duarte Marceneiro.
Vídeo de Homenagem

video