sexta-feira, setembro 21, 2012

FILIPE DUARTE - "Palco desmantelado"


video

Acompanhado à guitarra por Jorge Fontes e à viola por José Mª Nóbrega, Filipe Duarte interpreta, de João Linhares Barbosa, no Fado Meia Noite, "Palco desmantelado"
"...
De noite, ninguém se afoite / Andar ali à vontade / Porque nas sombras da noite / Passa um fantasma - a saudade"

Nascido em 28 de Outubro de 1934, no Bairro da Ajuda, em Lisboa, Filipe Duarte entrou no meio do fado pela mão do grande Linhares Barbosa, que o apresentou a Lucília do Carmo, que gostou de o ouvir e o convidou para ficar a cantar no seu restaurante típico "O Faia", isto nos finais dos anos cinquenta. Depois, a convite de Argentina Santos, integrou o elenco da "Parreirinha", onde esteve durante vários anos, e daí, atendendo a várias solicitações, trabalhou durante os anos seguintes em grande parte das casas de fado de Lisboa, mas também no Porto, tendo efectuado várias digressões ao estrangeiro, onde, para além de espectáculos pontuais, trabalhou temporadas em restaurantes ("O Fado", em Madrid, "O Solar dos Fadistas", em Angola, "Restaurante Abril em Portugal", em S. Paulo) e no Casino de Macau; também as tournées se foram sucedendo, à Roménia, Estados Unidos, Canadá, Tunísia..., tendo actuado em vários programas de Televisão, não só em Portugal, mas também em França, Brasil, Estados Unidos e Canadá.
No bairro em que nasceu, abriu, em 1989, a sua própria casa de fados, o "Solar do Fado" que manteve a funcionar até 2001.
Fadista que já é da "velha guarda", em 2011 integrou o espectáculo Proscritos.
Presentemente, essa alma fadista, que uma voz singular tão bem veste, continua a dar fado nas noites de Lisboa, para gáudio de todos os que amam o Fado.
O 4FadoLisbon encontrou Filipe Duarte no Restaurante Bar "Nini" (à Rua D. Francisco Manuel de Melo, nº 36-A, em Lisboa, com fado "vadio" às 5ªs) e registou-o assim, para memória futura


Calçada da Glória

(Dados biográficos, fotos e recorte de jornal fornecidos pelo próprio Filipe Duarte, em Set. 2012)

quarta-feira, setembro 19, 2012

LUIZ GOES - "Fado do Estudante"

De Lisboa a Coimbra, o Fado; de xaile e lenço ou de capa e batina, o Fado - o cantar português; nem sempre triste, mas sempre com sentimento; o pulsar do coração nas cordas de uma guitarra...

Morreu ontem um dos expoentes máximos do Fado de Coimbra, Luís Goes. Em sua homenagem, aqui o lembro interpretando o "Fado do Estudante" (Vicente Arnoso / Fernando Machado Soares), cuja primeira quadra, de que gosto particularmente, diz assim: "Fecha os olhos de mansinho / Não os abras para ver / Que a vida, de olhos fechados / Custa menos a viver" 

video
(Fotos daqui)